11/11/15 por Casimiro Perez

Hoje é o terceiro e último dia da HSM ExpoManagement. As palestras acontecerão na Estação GPTW, na área de Exposição, abordam aspectos sobre a liderança, tanto em relação ao desenvolvimento de pessoas para liderar equipes de alta performance, quanto em relação ao papel que os líderes exercem sobre os resultados da empresa. Neste contexto, aqui no blog também falaremos sobre liderança.

Consultoria GPTW

Nossos treinamentos vão muito além de explicar o quê – mostram como fazer. O formato prático e vivencial permite que os fundamentos da cultura Giftwork® – aquela das Melhores Empresas – seja acessível para qualquer funcionário em qualquer empresa. Liderança pode (e deve) ser exercida por todos!

» Receber proposta

Ao analisarmos os resultados deste ano das 135 Melhores Empresas para Trabalhar no país por via da nossa pesquisa de clima organizacional Trust Index©, que mede a confiança e a percepção dos funcionários sobre seu ambiente de trabalho, descobrimos um dado interessante: existe uma queda significativa no nível de confiança dos funcionários que possuem de 2 a 5 anos de casa, em relação àqueles que estão na empresa de 3 meses (tempo mínimo para participar da pesquisa GPTW) a 2 anos. O nível de confiança neste último grupo é recuperado vagarosamente, e só atinge os mesmos níveis em funcionários que estão há mais de 20 anos na empresa, como mostra o gráfico abaixo:

 

2015.11.11 - crise dos dois anos.png

Por que isso acontece? O que ocasiona a queda abrupta nos níveis de confiança? Para chegar a essa conclusão, mergulhamos a fundo nas 58 afirmativas que compõem o Trust Index©. Entre as duas primeiras faixas de tempo de casa, existe uma queda generalizada da percepção em todas as 58 afirmativas. Nenhuma delas escapou. Contudo, existem aquelas que ocorrem de forma mais dramática, como podemos ver logo abaixo:

Afirmativas
 
Queda na pontuação
 
Este é um lugar psicológica e emocionalmente saudável para trabalhar
 
21,2
 
Acredito que a quantia que recebo como participação nos resultados da empresa é justa
 
18,9
 
Todos aqui têm a oportunidade de receber um reconhecimento especial
 
16,3
 
Os chefes reconhecem erros não intencionais como parte do negócio
 
13,3
 
Este é um lugar descontraído para trabalhar
 
12,7

A afirmativa que mais caiu na percepção dos funcionários é extremamente preocupante. Entre todos os elementos que constituem um bom ambiente de trabalho, é difícil encontrar algum que seja mais crítico que um ambiente psicológica e emocionalmente saudável. Afinal, é o mínimo que se espera.

E os outros quatro fatores, reparem, também estão intimamente relacionados a um ambiente saudável, resumindo-se a reconhecimento e pressão. Por isso, é importante entender o que esses números significam: é claro que existem exceções à regra, mas essa faixa de dois a cinco anos costuma coincidir com o primeiro passo importante em uma empresa – em outras palavras, a primeira promoção que resulta em um aumento significativo das responsabilidades

Este é o momento em que o colaborador deixa de ter um papel predominantemente operacional para se tornar alguém com responsabilidades estratégicas dentro da empresa – e, mais importante, passa a gerir uma equipe. É o nascimento de um novo líder. 

E esse nascimento é muito mais difícil do que deveria: de repente, a pressão aumenta. O novo líder precisa rapidamente aprender novas habilidades, e passar por uma mudança radical de comportamento. E aqui está o grande problema: ele não foi preparado para essa mudança. Em uma faculdade ou pós-graduação em Administração de Empresas, qual é a porcentagem da grade dedicada para ensinar alunos a cuidar de pessoas? Eles aprendem algumas noções básicas, mas isso está longe de ser o suficiente. 

Portanto, o novo líder precisa do suporte da empresa nesse momento crítico. Um bom sinal é que 83% das 135 empresas (portanto, aproximadamente 5 em cada 6) oferecem um plano individual de desenvolvimento e/ou competência para todos os seus funcionários.

Contudo, isso é apenas a metade do caminho: além de desenhar o plano, é preciso ajudar a executá-lo. Entre as 135 – e lembre-se, estamos falando dos melhores ambientes de trabalho do país – apenas 59% possuem um programa estabelecido de mentoring. Se subirmos a régua para programas de mentoring especializado em dar suporte a novos líderes, o número será ainda menor.

É claro que dentro de casa não encontraremos todas as soluções para o problema. Mas as empresas poderiam fazer melhor ao procurar ajuda do lado de fora. Apenas 27% oferecem mais de 100 horas de treinamento por ano para seus colaboradores.

É claro que nenhuma solução conseguirá, por si, eliminar completamente o problema. A transição para a liderança será sempre difícil. Mas ela não precisa ser tão difícil assim. Existem maneiras simples, de fácil execução e aprendizado que são extremamente efetivas para gerir pessoas e equipes, como o Giftwork®, que ensinamos aqui no GPTW.

Uma preparação melhor desses novos líderes também significa que eles estarão prontos mais rapidamente para gerar resultados com suas equipes – que, por sua vez, estarão inseridas em um ambiente de trabalho ainda melhor, o que se traduz em maiores resultados para a empresa como um todo. Investir em pessoas é um bom negócio!

Ainda dá tempo de conferir o último dia da HSM ExpoManagement e as palestras gratuitas com os melhores nomes do mercado em RH na Estação GPTW!

Conteúdos Relacionados